Segunda, 28 de Setembro de 2020
(86)99825-8592-998501346
Cidades Instituto Cigano

Instituto Cigano Brasil denuncia ministro da Educação por crime de racismo ao STF

Instituto Cigano Brasil denuncia ministro da Educação por crime de racismo ao STF

26/05/2020 15h52
96.490
Por: Júnior repórter Fonte: http://agenciaeconordeste.com.br/
O presidente do ICB, Rogério Ribeiro, viu com tristeza e indignação as declarações do ministro da Educação
O presidente do ICB, Rogério Ribeiro, viu com tristeza e indignação as declarações do ministro da Educação

Caucaia – CE. O Instituto de Cultura, Desenvolvimento Social e Territorial do Povo Cigano do Brasil (ICB), com sede em Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), enviou, no Ofício Nº 0059/ICB/STF2020 ao Supremo Tribunal Federal (STF), nesta segunda-feira (25), uma denúncia contra o ministro da Educação Abraham Weitraub. A denúncia está amparada no art. 5º acompanhado dos Incisos III, VIII, X, XLI e XLII-CF e artigo 140 do Código Penal.

Sobre a declaração que originou a denúncia, o cigano Rogério Ribeiro, presidente do ICB disse, exclusivamente para a Agência Eco Nordeste: “nós recebemos essa notícia com muita tristeza, ainda mais neste período de pandemia em que o povo cigano foi atingido como muitos. É triste escutar uma declaração tão desumana e até ofensiva de uma pessoa que está num cargo tão importante, numa pasta como o Ministério da Educação. O povo cigano é historicamente perseguido por muitos pelo preconceito e pela discriminação. Vai fazer 500 anos estamos aqui e sentimos na pele esse tipo de racismodiscriminaçãopreconceito de uma pessoa que deveria dar exemplo. Pelo histórico, esse ministro não tem educação. Esperamos justiça, que o STF atenda a nossa denúncia. Ele infringiu muito artigos” .

“Nós publicamos uma nota de repúdio, mandamos documento para a Câmara, Senado, STF e entramos em contato com o gabinete do presidente do STF, que já acusou recebimento. Esperamos que possa tomar providência em relação a esse discurso de ódio”, declarou Rogério.

No ofício, o denunciante, Instituto de Cultura, Desenvolvimento Social e Territorial do Povo Cigano do Brasil, investido da função do seu Estatuto Social Capítulo II Incisos XVI, XVII e XVIII, requer do Congresso Nacional e da Câmara dos Deputados a abertura de processo de apuração de infrações de crime de racismo, conforme o art. 5º, parágrafo único da Constituição Federal, combinado com os Incisos III, VIII, X, XLI e XLII; e artigo 140 do Código Penal, contra os Povos Ciganos e Povos Originários do Brasil, feita na reunião ministerial do dia 22 de abril, pelo ministro da Educação Abraham Weitraub, e divulgado por diversos veículos de comunicação no dia 22 de maio.

Na reunião, o ministro declarou: ” odeio o termo ‘povos indígenas‘, odeio esse termo. Odeio. O ‘povo cigano’. Só tem um povo nesse país. Quer, quer. Não quer, sai de ré”. Para o ministro da Educação, no Brasil existem “privilégios” direcionados a alguns “povos”.

“O denunciado comporta-se de modo evidentemente incompatível com a honra e o decoro do cargo, sobretudo em razão da postura ofensiva e permeada de expressões de racismo, discriminação e ofensas”, ressalta a entidade no ofício.

“O racismo e o preconceito são inadmissíveis. Manifestações deste tipo são injustas, covardes e causam grande sofrimento o nosso povo cigano e aos indígenas. É um ataque à dignidade humana, além de desrespeito a etnias pertencentes ao povo diverso do Brasil”, acrescenta.

E prossegue solicitando às autoridades “a garantia de que todos os crimes cometidos por motivações discriminatórias, incluindo racismo, sejam investigados de forma plena e efetiva, punidos e condenados sob legislação que inclua sanções refletindo a gravidade dos abusos aos direitos humanos“.

Afirma, ainda, que, “se o ministro da educação Abraham Weitraub não enxerga o racismo, poderá compreender que urge a necessidade de produção de Políticas Educacionais valorizando a educação antirracista, fazendo cumprir as Leis 10.639/03 (história da cultura afro-brasileira) e 11.645/08 (história da cultura indígena) e conhecer o decreto 6.040/2007.

E conclui: “Exigimos respostas das autoridades para punir pela força da Lei, toda e qualquer forma de preconceito e práticas discriminatórias. Reiteramos que o Instituto Cigano do Brasil (ICB) luta contra toda e qualquer forma de preconceito (homofobia, anti-ciganismo, ciganofobia, racismo, sexismo, machismo)”.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.