Sexta, 07 de Agosto de 2020
(86)99825-8592-998501346
Cidades Secretário

Secretário do Tesouro rejeita tornar permanente auxílio emergencial de R$ 600

Secretário do Tesouro rejeita tornar permanente auxílio emergencial de R$ 600

06/05/2020 13h32
185
Por: Júnior repórter
Secretário do Tesouro rejeita tornar permanente auxílio emergencial de R$ 600
Secretário do Tesouro rejeita tornar permanente auxílio emergencial de R$ 600

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, rejeitou nesta terça-feira (5) a ideia de tornar permanente o auxílio emergencial de R$ 600 pago a informais por conta da pandemia do novo coronavírus.

Em videoconferência com a consultoria política Arko Advice, o secretário afirmou que nenhum país do mundo conseguiria pagar a conta de ter metade da população em programas assistenciais do governo. Políticos e alguns economistas defendem a transformação do benefício emergencial pago a trabalhadores informais em uma espécie de renda básica universal.

De acordo com Mansueto, apesar das restrições fiscais, o Brasil tem um patamar elevado de gastos sociais, em comparação com outros países. Segundo ele, a União não comportaria a transformação desse auxílio em despesa permanente.

O custo estimado do programa, com duração de três meses, está próximo a R$ 130 bilhões. O auxílio deve ser pago a 70 milhões de pessoas. Segundo o secretário, se isso for somado aos benefícios previdenciários e assistenciais já desembolsados pelo governo, o público atingido é próximo de metade da população.

"Esse programa é de curto prazo. Nenhum país do mundo conseguiria pagar a conta de colocar quase metade da população em programa de transferência de renda. Teria que aumentar muito a carga tributária", disse.

Para o secretário, o problema de o país ter quase 40% da população na informalidade não deve ser enfrentado dessa forma, mas com medidas que estimulem a geração de emprego formal.
Apesar de defender a manutenção do prazo de três meses para o programa, Mansueto não descartou eventual ampliação, caso a crise se prolongue.

"Se chegar daqui a três meses e o programa for descontinuado porque a economia voltou a funcionar, melhor. Se não for o caso, senta-se a mesa e se discute a renovação do programa e em qual magnitude", disse.


Fonte: Folhapress 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.