domingo, 21 de outubro de 2018
Internacional

23/02/2018 ás 13h31

905

Júnior repórter

Piripiri / PI

Presidente da Fecomércio-RJ é preso e levado à sede da PF
Presidente da Fecomércio-RJ é preso
Presidente da Fecomércio-RJ é preso e levado à sede da PF
Ele é acusado de liderar esquema de desvios milionários

Preso na manhã desta sexta-feira, o presidente afastado da Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio), Orlando Diniz, está a caminho da Polícia Federal no Rio de Janeiro. Ele foi preso pela força-tarefa da Operação Calicute na casa de seu pai, no Leblon. Dalí, os policiais o levaram para seu próprio apartamento, no mesmo bairro, e ficaram por lá por volta de duas horas, de onde saiu por volta de 8h50.


Aproximadamente sessenta policiais federais foram destacados para a operação, que contou com um mandado de prisão preventiva, três mandados de prisão temporária e 10 mandados de busca e apreensão.


Diniz teria, com ajuda do ex-governador Sérgio Cabral, Diniz desviou, segundo a investigação, ao menos R$ 3 milhões de duas 


entidades do Sistema "S", o Sesc e o Senac-RJ, para a Thunder Assessoria Empresarial, firma na qual figura como sócio-administrador. Esta conexão, apontada pela força-tarefa da Operação Calicute, versão da Lava-Jato no Rio, é um dos fundamentos da prisão preventiva.



Orlando Diniz é levado para a sede da Polícia Federal  (Crédito: Paulo Nicolella  )
Orlando Diniz é levado para a sede da Polícia Federal (Crédito: Paulo Nicolella )



De acordo com a investigação, Diniz subtraiu o dinheiro das entidades entre 2010 e 2015. Para isso, segundo evidências colhidas pelos procuradores, usou notas fiscais frias emitidas, a pedido de Cabral, por duas empresas: a Dirija Veículos e a Viação Rubanil.


Diniz - afastado atualmente do cargo de presidente do Sesc-Rj e Senac-RJ por meio de uma liminar - e os demais suspeitos são acusados de corrupção ativa, lavagem de dinheiro e de organização criminosa.


Além disso, o empresário também é acusado de lavar dinheiro através de pagamentos em honorários advocatícios com recursos da própria entidade: o valor chega aos R$180 milhões.


Desde que teve o nome envolvido no escândalo, Diniz tenta afastar-se de Cabral. Depois de sair do apartamento onde morava, no mesmo prédio do governador, na Rua Aristides Espíndola - foi morar no apartamento do pai, também no Lebon - pôs o imóvel à venda.


A proximidade dos dois não se limitou à vizinhança no Leblon. O empresário também era habitué do Condomínio Portobello, onde ele, o ex-governandor e vários réus da Lava-Jato mantêm casa de alto padrão de luxo, localizado na Praia de São Braz, em Mangaratiba.


Em dezembro do ano passado, Diniz, que comandava a Fecomércio desde 1998, foi afastado da presidência do Sesc Rio por determinação do Superior Tribunal de Justiça (STJ) em caráter provisório. O julgamento sobre o afastamento estava previsto para o dia 6 de fevereiro, mas foi adiado por ordem do ministro relator do caso, Napoleão Nunes Maia Filho.


A Fecomércio recorreu ao Tribunal de Justiça do Rio e conseguiu emplacar um vice-presidente da entidade no lugar de Diniz, mas a Confederação Nacional do Comécio (CNC) entrou com Reclamação que será analisada pelo STJ na próxima quarta-feira.


FONTE: Com informações do OGlobo

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium